Para que serve a arte? Entenda seus papéis e benefícios

Escrito por ArqBahia

Equipe de autores da ArqBahia.

Talvez você já tenha pensado “Para que serve a arte?”. Você não está sozinho. Por muito tempo, a humanidade fez a mesma questão e ela tem sido motivo de debate, tanto entre movimentos artísticos quanto entre cientistas.

A arte e a funcionalidade

Desde os movimentos clássicos até as vanguardas que desafiavam as normas, todos os artistas e críticos debateram sobre a função da arte. Alguns argumentavam que a beleza intrínseca e a capacidade de provocar emoções eram propósitos suficientes, enquanto outros defendiam a necessidade de uma utilidade prática. Em meio a esse embate, surge a pergunta: a arte deve servir a um propósito funcional ou é sua própria existência a sua função?

Movimentos artísticos não-funcionais e funcionais

Movimentos como o Dadaísmo e o Surrealismo desafiaram as convenções, insistindo que a arte não precisa ter uma função específica além de desafiar as expectativas e despertar questionamentos. Por outro lado, o movimento Arts and Crafts, liderado por William Morris, promoveu a ideia de que a arte deveria ser funcional, integrando-se à vida cotidiana por meio de objetos e designs. Essas correntes divergentes refletem a riqueza da arte como um campo dinâmico, capaz de abraçar diversas perspectivas.

Anúncio

A inutilidade deliberada

A estética da arte frequentemente desafia a ideia de utilidade, propondo que a mera contemplação estética é uma experiência valiosa por si só. Movimentos como o Abstracionismo e o Minimalismo enfatizam a simplificação e a ausência de propósito prático. Esses são os tipos de expressão que normalmente nos causam choque.

O impacto da arte sem função

Talvez você já tenha visto um desses quadros em um museu, com linhas retas, somente cores, sem representações de objetos. Ou então borrões de tinta. São para eles que, normalmente, alguém diz: “Meu filho faria isso”.

Essas peças muitas vezes se tornam catalisadoras de discussões e reflexões, questionando a própria natureza da arte e seu papel na sociedade. Isto porque elas já não vêm mais para a representação de objetos. Elas apenas “são”, cabendo a nós criarmos uma impressão sobre o que sentimos ou achamos quando a vimos.

E tudo bem achar ruim, ok?

rectangular white wooden wall mirror frame
Photo by Dom J on Pexels.com

A arte funcional

Por outro lado, movimentos como o Bauhaus e o Modernismo abraçaram a ideia de que a arte deve ser funcional e acessível. Designs de móveis, arquitetura e objetos do cotidiano foram elevados a formas de expressão artística. Nesse contexto, a arte não apenas decora, mas também cumpre uma função prática, tornando-se uma parte integrante da vida das pessoas.

Forma segue função

A abordagem funcional da arte não a torna menos expressiva; pelo contrário, ela destaca a beleza na simplicidade e na eficiência. O design contemporâneo muitas vezes busca esse equilíbrio delicado entre forma e função, criando objetos que não são apenas visualmente agradáveis, mas também aprimoram a experiência diária.

Former Our Lady & St Francis Secondary School
Former Our Lady & St Francis Secondary School by Thomas Nugent is licensed under CC-BY-SA 2.0

Conclusão

Em última análise, a pergunta “Para que serve a arte?” não possui uma resposta única e definitiva. A arte é uma jornada de significados, onde movimentos artísticos se entrelaçam, desafiando e complementando uns aos outros. Seja através da estética descompromissada, da funcionalidade integrada ou de uma mescla harmoniosa, a arte serve a propósitos tão vastos quanto a imaginação humana.

Uma prova disso é que os movimentos de funcionalidade na arquitetura andaram lado-a-lado com o abstrato, de forma que um inspirava o outro. O funcional Le Corbusier adorava o cubista Picasso!

FAQs

1. A arte precisa ter um propósito específico para ser valiosa?

Não necessariamente. A valorização da arte pode derivar tanto de sua beleza estética quanto de sua funcionalidade, dependendo da perspectiva do espectador.

2. Os movimentos artísticos contemporâneos estão mais inclinados à funcionalidade ou à inutilidade deliberada?

A diversidade é marcante. Alguns artistas contemporâneos buscam integrar a funcionalidade, enquanto outros desafiam as normas, explorando a inutilidade como forma de expressão.

3. Como a arte funcional pode impactar o nosso cotidiano?

A arte funcional pode transformar o ambiente cotidiano, tornando-o esteticamente agradável e prático ao mesmo tempo. Designs inteligentes e acessíveis podem melhorar nossa qualidade de vida.

4. A funcionalidade da arte compromete sua capacidade de provocar emoções?

Não necessariamente. A arte funcional pode despertar emoções de maneiras sutis e integradas à vida diária, enquanto a inutilidade deliberada pode provocar reflexões profundas.

5. Existe um equilíbrio ideal entre forma e função na arte?

O equilíbrio ideal varia de acordo com as preferências individuais. Alguns apreciam uma abordagem mais estética, enquanto outros valorizam a eficiência e a utilidade na arte.

Deixe uma resposta