ArqBahia responde: O que é Ilha de Calor?

Escrito por ArqBahia

Equipe de autores da ArqBahia.

Olá, pessoal! Hoje vamos falar sobre um fenômeno climático que acontece em médias e grandes cidades: a Ilha de Calor. Você já ouviu falar sobre isso? Se não, não se preocupe, estamos aqui para desvendar esse mistério.

O que é a Ilha de Calor?

A Ilha de Calor é um fenômeno climático de origem antrópica, ou seja, causado pela ação humana, e é caracterizado pela elevação da temperatura em áreas densamente urbanizadas. Agora, você pode estar se perguntando: por que exatamente isso acontece?

Modificações intensas no meio urbano

Uma das principais razões para esse aumento de temperatura está relacionada às intensas modificações que as áreas urbanas sofrem em comparação ao meio natural. Nas áreas centrais das cidades, essas modificações são ainda mais intensas. A estrutura das cidades é composta por materiais que absorvem uma quantidade significativa de calor, como o concreto das calçadas, construções e o asfalto das vias de circulação.

Além disso, a circulação de veículos automotores nas áreas centrais contribui para a emissão de gases-estufa. Esses gases possuem a capacidade de absorver a luz solar e reter a radiação infravermelha, o que cria o conhecido efeito estufa. A verticalização das cidades, devido ao grande número de prédios, dificulta a circulação atmosférica e a dispersão de gases. Somando-se a tudo isso, temos a escassez de áreas verdes e corpos d’água, elementos que ajudariam a resfriar o ambiente.

Todas essas transformações intensas no ambiente urbano resultam na absorção de uma grande quantidade de calor, que não consegue se dissipar adequadamente. Como consequência, as áreas centrais das cidades apresentam temperaturas mais elevadas em comparação às áreas menos urbanizadas e às áreas rurais.

História e impacto no Brasil

A observação do aumento da temperatura nas áreas urbanas foi registrada pela primeira vez em 1818, em Londres, no Reino Unido, pelo pesquisador Luke Howard. Posteriormente, outros estudos realizados em diferentes partes do mundo confirmaram o fenômeno e suas causas. No Brasil, a geógrafa Magda Lombardo foi uma das pioneiras no estudo das Ilhas de Calor na cidade de São Paulo.

As alterações no microclima, além da elevação de temperatura, também afetam o processo de evaporação, interferindo na dinâmica das chuvas em áreas urbanas.

Anúncio

Como reverter o cenário das Ilhas de Calor?

A boa notícia é que é possível reverter esse cenário. O planejamento urbano desempenha um papel fundamental nesse processo. A maioria das cidades cresceu sem um planejamento adequado, mas algumas soluções simples podem causar um impacto positivo nas áreas urbanizadas.

Iniciativas como a arborização de vias, a criação de áreas verdes com a construção de parques públicos, a proteção das matas e dos cursos d’água, a instalação de telhados verdes e o controle na quantidade de veículos para reduzir a poluição ambiental são medidas que podem ajudar a combater as Ilhas de Calor.

No entanto, o ponto mais crucial é promover um planejamento ordenado das cidades. Mecanismos de controle de ocupação do solo que incentivem a formação de cidades verdes e sustentáveis são essenciais. Essa perspectiva está alinhada com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 11, cujas metas devem ser alcançadas até o ano de 2030.

Conclusão

Em resumo, as Ilhas de Calor são um desafio real em nossas cidades, mas com ações adequadas e um planejamento urbano consciente, podemos mitigar seus efeitos e criar ambientes urbanos mais saudáveis e sustentáveis. E lembre-se de deixar o seu like se você gostou deste conteúdo. Até a próxima!

ReP USP – Detalhe do registro: Ilha de calor nas metropoles o exemplo de sao paulo

Ilhas de calor em São Paulo: Pontos quentes da cidade | Super (abril.com.br)

Deixe uma resposta