A Envolvemente História Entre a Dança e o Jazz

Escrito por ArqBahia

Equipe de autores da ArqBahia.

Hoje, vou mergulhar na fascinante história da dança jazz (jazz dance). Assim como o balé, o jazz dance desempenhou um papel fundamental na compreensão dos estilos de dança moderna e contemporânea. À medida que exploramos o mundo da dança jazz, fica evidente que suas variedades refletem a diversidade da cultura americana. Esta forma de dança não apenas ecoa a história social do povo americano, mas também reflete influências étnicas, eventos históricos e mudanças culturais.

Origens Africanas

Para compreender a história da dança jazz, é crucial voltar às origens da música jazz e da dança jazz. Ambas têm suas raízes nos ritmos e movimentos trazidos para a América pelos escravos africanos. O estilo de dança africana envolvia movimentos terrenos, joelhos flexionados, ênfase em isolamentos corporais e aplausos ritmados. Isso é apenas um exemplo das muitas formas tribais que se encontravam por toda a África.

Quando os escravos foram trazidos para a América a partir do século XVII, foram cortados de suas famílias, línguas e tradições tribais. No entanto, isso resultou em uma interação cultural única, onde os africanos de diversas origens criaram uma nova cultura que incorporava elementos africanos e europeus.

Supressão e Mudanças

Em 1740, a “Lei dos Escravos” proibiu os escravos de tocar tambores africanos ou realizar danças africanas. No entanto, essa proibição não suprimiu o desejo de manter essas partes de sua identidade cultural. Os escravos adaptaram suas tradições, incorporando elementos como gospel e sapateado para substituir os ritmos que perderam.

Os ritmos e movimentos da dança africana, como os batimentos de pés, a marcação com as mãos e os sons vocais rítmicos, foram tecidos naquilo que hoje chamamos de jazz. A cultura e a história africanas deixaram uma marca indelével na dança jazz, apesar dos desafios e obstáculos.

Anúncio

Minstrel Shows e Dificuldades

No século XIX, os artistas brancos americanos começaram a se apropriar da música e da dança das pessoas escravizadas. Os chamados “minstrel shows” eram espetáculos que zombavam da vida dos escravos e popularizavam a dança e a música africanas com dançarinos brancos como estrelas. Esse fenômeno é, hoje, claramente uma apropriação cultural problemática.

Esses shows tornaram difícil para dançarinos afro-americanos ganharem destaque, mesmo em espetáculos que exploravam sua própria cultura. Muitos dançarinos afro-americanos migraram para a Europa, onde introduziram novas formas de música e dança jazz.

A Grande Migração e a Era do Jazz

A Grande Migração, que ocorreu após a Primeira Guerra Mundial, viu muitos afro-americanos do sul dos Estados Unidos se mudarem para o norte em busca de empregos industriais. Eles trouxeram consigo partes de sua cultura, ajudando a espalhar o jazz de Nova Orleans para Chicago, Nova York e, novamente, para a Europa.

Durante a década de 1920, o dixieland jazz, com seu ritmo frenético e base no ragtime, se espalhou. A dança jazz estava diretamente ligada ao gênero musical, movendo-se dos clubes de Nova Orleans para as grandes cidades do norte e, novamente, para a Europa.

O Nascimento do Charleston e Bill Robinson

retrato de bill robinson

Em 1923, o Charleston foi introduzido e rapidamente adotado pelos americanos. Foi uma dança que trouxe elementos de isolamento corporal e batidas de mãos e pés, ligando diretamente às origens africanas da dança. Nessa época, Bill “Bojangles” Robinson, um dançarino de sapateado negro, alcançou fama mundial com suas performances rítmicas e claras.

O sapateado evoluiu a partir da jig irlandesa, incorporando movimentos corporais limitados. A influência de Robinson levou a uma mudança na forma como os passos de sapateado eram executados, passando do pé inteiro para a ponta do pé, tornando a dança muito mais leve.

A Era do Swing e Fred Astaire

Na década de 1930, durante a Grande Depressão, as pessoas buscaram refúgio na dança em busca de prêmios em dinheiro, jantares e diversão. A música jazz começou a mudar com a introdução do jazz sinfônico de Paul Whiteman, que trouxe uma ênfase na sincopação.

Músicos afro-americanos como Duke Ellington e Louis Armstrong deram origem à dança do swing, focando na percussão e permitindo que os dançarinos seguissem o ritmo. A era do swing, também conhecida como a era das big bands, trouxe danças populares como o Lindy Hop e o Boogie Woogie.

Na década de 1920, Fred Astaire ganhou destaque em Hollywood, sendo o primeiro a dançar cada nota musical, sincronizando seus passos com a música de forma incrivelmente elegante. Seu estilo combinava elementos do balé com movimentos de jazz, criando uma aparência graciosa no corpo superior e uma execução jazzística de alta velocidade no corpo inferior.

Mudanças na Segunda Guerra Mundial

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, a dança jazz passou por mudanças significativas. Durante o conflito, muitos homens foram mobilizados para a guerra, e as mulheres trabalhavam nas fábricas, causando uma queda na participação na dança social.

Além disso, a música jazz começou a adotar novos estilos, como o jazz sinfônico de Paul Whiteman, que acentuava a sincopação, tornando os ritmos mais complexos para a dança social. Como resultado, os salões de dança e os clubes de jazz começaram a fechar.

Jazz Dance Profissional

Durante a década de 1940, o jazz dance começou a se desenvolver como uma forma de dança profissional. Inspirado pela técnica clássica do balé e pela expressão corporal do moderno, o jazz dance começou a adotar uma qualidade artística sofisticada.

Nesse período, Jack Cole, conhecido como o “pai do jazz dance teatral,” desenvolveu sua técnica. Ele estudou balé, dança moderna e danças étnicas e, como aluno do Denishawn Studios, começou a coreografar para clubes noturnos e filmes de Hollywood.

A Era da Televisão e a Popularização

A chegada da televisão na década de 1950 desempenhou um papel fundamental na popularização da dança jazz. Programas de variedades e especiais musicais apresentaram coreógrafos renomados como Michael Peters, Jeffrey Hornaday, Lester Wilson, Madonna, Paula Abdul e Janet Jackson.

Michael Jackson, em particular, deixou uma marca duradoura na dança jazz com suas coreografias inovadoras e vídeos icônicos. Ele colaborou com coreógrafos como Michael Peters, contribuindo para a evolução dessa forma de dança.

Instrutores de Destaque

Frank Hatchet e Joe Tremaine são dois instrutores que tiveram um impacto significativo no desenvolvimento da dança jazz. Frank Hatchet é conhecido por seu estilo que combina força, funk e interpretação individual. Sua ênfase na venda da performance tornou-se uma parte importante de seu legado.

Por outro lado, Joe Tremaine trouxe técnicas de Nova York para a costa oeste dos Estados Unidos, desenvolvendo o que é conhecido como “West Coast Jazz” ou “LA Jazz.” Seu estilo é energético, rítmico e incorpora as tendências musicais atuais.

O Jazz Dance no Século XXI

No século XXI, o jazz dance continua a evoluir, fundindo-se com outras formas de dança, como o hip-hop, o balé e a dança moderna. Grandes produções da Broadway, como “Hamilton,” incorporam elementos do jazz dance, provando sua relevância contínua.

É importante reconhecer que o jazz dance é uma contribuição única e distintamente americana para a arte da dança. Sua evolução reflete a rica mistura de influências culturais nos Estados Unidos, desde as tradições africanas até as modernas fusões de estilos.

A história da dança jazz é uma história de superação, resiliência e inovação, marcando seu lugar na cultura e na arte. Como forma de expressão, continua a evoluir e se adaptar, mantendo-se fiel às suas raízes e, ao mesmo tempo, abraçando o futuro. A dança jazz é uma verdadeira joia da cultura americana, incorporando sua diversidade e criatividade inesgotável.

referências

Jazz dance – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Dança: Jazz Dance – As características e a história desse estilo tão sensual e empolgante (bonashistorias.com.br)

A HISTÓRIA DE FRED ASTAIRE – YouTube

Here’s how Bill ‘Bojangles’ Robinson got his distinctive nickname – The Washington Post

Opera Mundi: Hoje na História: 1865 – EUA oficializam abolição da escravatura (uol.com.br)

Minstrel Show – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Deixe um comentário