resumo do dia: Morte e vida de grandes cidades de Jane Jacobs

Escrito por ArqBahia

Equipe de autores da ArqBahia.

Jane Jacobs foi uma escritora e ativista canadense nascida nos Estados Unidos em 1916. Ela é mais conhecida por seu livro “Morte e Vida de Grandes Cidades Americanas”, publicado em 1961, onde ela criticou as práticas de renovação urbana. Ela foi uma figura importante no surgimento do movimento pelo urbanismo, que busca humanizar as cidades e promover ruas amigáveis para pedestres.

Jacobs era uma crítica dos planejadores “racionalistas” dos anos 1950 e 1960, especialmente Robert Moses, e do trabalho anterior de Le Corbusier. Ela argumentava que o planejamento urbano modernista ignorava e simplificava demais a complexidade das vidas humanas em comunidades diversas. Também se opunha aos programas de renovação urbana em larga escala que afetavam bairros inteiros e construíam rodovias nas cidades. Ela defendia o desenvolvimento misto e denso e as ruas caminháveis, com os “olhos na rua” dos transeuntes ajudando a manter a ordem pública.

Suas ideias sobre planejamento urbano e arquitetura, como o desenvolvimento de uso misto e a importância da vida pública nas ruas, tiveram um impacto significativo no planejamento e design urbano.

Jane Jacobs faleceu em 2006 em Toronto.

Anúncio
biblioteca archviz

I. O Urbanismo Ortodoxo

I.I. A cidade jardim de Howard

Ao resumir o desenvolvimento da teoria contemporânea de planejamento urbano, a autora começa com a Cidade Jardim de Ebenezer Howard. A Cidade Jardim foi concebida como uma nova forma de planejamento mestre, uma cidade autossuficiente afastada do barulho e da sujeira do final do século XIX em Londres, cercada por cinturões verdes de agricultura, com escolas e habitações circundando um centro comercial, todos projetados em detalhe e pré-determinados.

A Cidade Jardim permitiria um máximo de 30.000 habitantes em cada cidade e exigia uma autoridade pública permanente para regular cuidadosamente o uso da terra e afastar a tentação de aumentar a atividade comercial ou a densidade populacional. Fábricas industriais eram permitidas na periferia, desde que fossem disfarçadas por áreas verdes. O conceito da Cidade Jardim foi primeiro incorporado no Reino Unido pelo desenvolvimento de Letchworth e Welwyn Garden City e, nos EUA, pelo subúrbio de Radburn, NJ.

Jane Jacobs rastreia a influência de Howard por meio de figuras americanas conhecidas como Lewis Mumford, Clarence Stein, Henry Wright e Catherine Bauer, um conjunto de pensadores que Bauer se referiu como “Descentristas”. Os Descentristas propuseram usar o planejamento regional como meio de amenizar os males das cidades congestionadas, atraindo moradores para uma nova vida em áreas de baixa densidade e subúrbios, afastando-se do núcleo urbano lotado.

Jacobs destaca os preconceitos antiurbanos dos defensores da Cidade Jardim e dos Descentristas, especialmente suas intuições compartilhadas de que:

  1. as comunidades deveriam ser unidades autocontidas;
  2. o uso misto do solo criava um ambiente caótico, imprevisível e negativo; que a rua era um lugar ruim para interações humanas;
  3. as casas deveriam ser viradas para longe da rua em direção a espaços verdes abrigados;
  4. super-blocos alimentados por estradas arteriais eram superiores a pequenos blocos com cruzamentos sobrepostos;
  5. qualquer detalhe significativo deveria ser ditado por um plano permanente em vez de ser moldado pela dinâmica orgânica;
  6. a densidade populacional deveria ser desencorajada ou pelo menos disfarçada para criar um sentido de isolamento.
I.II. A cidade Radiante de Le Corbusier

Jane Jacobs continua sua análise do urbanismo ortodoxo com Le Corbusier, cujo conceito de Cidade Radiante previa vinte e quatro arranha-céus dentro de um Grande Parque. Em desacordo apenas superficial com os ideais de baixa densidade e de baixa altura dos Descentristas, Le Corbusier apresentou sua cidade vertical, com 1.200 habitantes por acre. Seus conceitos, entretanto, demonstram que suas ideias eram uma extensão da Cidade Jardim. Eles são:

  1. o superbloco;
  2. o planejamento de bairros regimentado;
  3. o fácil acesso de automóveis;
  4. a inserção de grandes espaços gramados para manter os pedestres longe das ruas para a própria cidade, com o objetivo explícito de reinventar o centro urbano estagnado.

Jacobs conclui sua introdução com uma referência ao movimento City Beautiful, que salpicava áreas centrais com centros cívicos, avenidas barrocas e novos parques monumentais. Esses esforços eram herdados de outros contextos, como o uso único do espaço público desconectado de rotas de caminhada naturais e a imitação dos terrenos de exposições da Feira Mundial de Chicago.

II. A importância da calçada

Jane Jacobs apresenta a calçada como um mecanismo central na manutenção da ordem da cidade. “Esta ordem é toda composta de movimento e mudança, e embora seja vida, não arte, podemos chamá-la facilmente de um tipo de arte da cidade e compará-la à dança.” Para a autora, a calçada é o palco cotidiano para um “intrincado balé no qual os dançarinos individuais e conjuntos têm partes distintas que miraculosamente se reforçam e compõem um todo ordenado”.

Jacobs coloca as cidades como fundamentalmente diferentes dos vilarejos (ou, no Brasil, dos distritos) e dos subúrbios, principalmente porque são cheias de desconhecidos. Mais precisamente, a proporção de desconhecidos para conhecidos é necessariamente desequilibrada em qualquer lugar que se vá na cidade, mesmo fora da porta de casa, “por causa do grande número de pessoas em um pequeno espaço geográfico”. Um desafio central da cidade, portanto, é fazer com que seus habitantes se sintam seguros, protegidos e socialmente integrados no meio de um grande volume de desconhecidos em rotação. A calçada saudável é um mecanismo crítico para alcançar esses objetivos, dada sua função de prevenir crimes e facilitar o contato com outras pessoas.

Jacobs enfatiza que as calçadas da cidade devem ser consideradas em juntamente ao ambiente físico que as cerca. Como ela colocou, “Uma calçada da cidade por si só não é nada. É uma abstração. Significa algo apenas em conjunto com os prédios e outros usos que a cercam, ou que cercam outras calçadas muito próximas”.

II.I. Segurança

Jane Jacobs argumenta que as calçadas das cidades e as pessoas que as usam participam ativamente na luta contra a desordem e na preservação da civilização. Elas não são apenas “beneficiárias passivas da segurança ou vítimas indefesas do perigo”. Uma calçada saudável não depende de uma constante vigilância policial para mantê-la segura, mas sim de uma “intrincada rede quase inconsciente de controles e padrões voluntários entre as pessoas, e aplicados pelas próprias pessoas”. Jacobs sugere que um grande volume de usuários humanos nas ruas dissuade a maioria dos crimes violentos, ou pelo menos garante uma massa crítica de primeiros respondentes para mitigar incidentes desordenados. Ou seja, calçadas saudáveis transformam o alto volume de estranhos da cidade de um problema para um recurso.

O mecanismo de autoaplicação é especialmente forte quando as ruas são supervisionadas por seus “proprietários naturais”, indivíduos que gostam de observar a atividade na rua, sentem-se naturalmente investidos nos códigos de conduta não falados e têm confiança de que outros apoiarão suas ações, se necessário. Eles formam a primeira linha de defesa para administrar a ordem na calçada, complementados pela autoridade policial quando a situação exige. Ela conclui que três qualidades são necessárias para uma rua da cidade manter a segurança:

  1. uma clara demarcação entre espaço público e privado;
  2. olhos na rua e edifícios voltados para as ruas;
  3. olhos contínuos na rua para garantir uma vigilância eficaz.

Jane Jacobs compara os proprietários naturais aos “pássaros de passagem”, que é como ela chama os moradores transitórios e desinteressados ​​que “não têm a menor ideia de quem cuida de sua rua, ou como”. Jacobs adverte que, embora os bairros possam absorver um grande número desses indivíduos desinteressados, “se e quando o bairro finalmente se torna deles, eles gradualmente acharão as ruas menos seguras, ficarão vagamente perplexos com isso e … irão embora”.

Jacobs faz uma comparação entre ruas vazias e corredores, elevadores e escadarias desertas em prédios públicos de habitação vertical. Esses espaços “cegos”, modelados a partir dos padrões de vida de classe alta, mas sem os recursos de controle de acesso, porteiros, ascensoristas, administração do prédio ou funções de supervisão relacionadas, são inadequados para lidar com estranhos e, portanto, a presença de estranhos se torna “uma ameaça automática”. Eles são abertos ao público, mas protegidos da vista pública e, portanto, “carecem dos controles e inibições exercidos pelas ruas vigiadas por olhos”, tornando-se pontos de partida para comportamentos destrutivos e maliciosos. À medida que os habitantes se sentem cada vez mais inseguros fora de seus apartamentos, eles se afastam progressivamente da vida do prédio e exibem tendências dos “pássaros de passagem”. Esses problemas não são irreversíveis. Jane Jacobs afirma que um projeto em Brooklyn reduziu com sucesso o vandalismo e o roubo abrindo os corredores para a vista pública, equipando-os como espaços de recreação e varandas estreitas e até mesmo permitindo que os inquilinos os usem como áreas de piquenique.

Com base na ideia de que um ambiente movimentado por pedestres é um pré-requisito para a segurança na cidade na ausência de uma força contratada de vigilância, Jacobs recomenda uma quantidade substancial de lojas, bares, restaurantes e outros lugares públicos “espalhados pelas calçadas” como um meio para alcançar esse objetivo. Ela argumenta que se os planejadores da cidade continuarem ignorando a vida nas calçadas, os moradores recorrerão a três mecanismos de enfrentamento à medida que as ruas se tornam desertas e inseguras:

  1. sair do bairro, permitindo que o perigo persista para aqueles que são pobres demais para se mudar para outro lugar;
  2. recuar para o automóvel, interagindo com a cidade apenas como motorista e nunca a pé;
  3. cultivar um senso de “território” no bairro, se isolando em ambientes de luxo e desagradáveis usando cercas e profissionais de segurança.
II.II. Contato

A vida na calçada permite uma série de interações públicas casuais, desde pedir direções e conselhos ao comerciante, até acenar para os transeuntes e admirar um novo cachorro. “A maioria dessas interações é aparentemente trivial, mas a soma não é trivial.” A soma é “uma teia de respeito e confiança pública”, cuja essência é que ela “não implica compromissos privados” e protege a preciosa privacidade. Em outras palavras, os habitantes da cidade sabem que podem participar da vida na calçada sem medo de “relacionamentos complicados” ou de revelar detalhes de sua vida pessoal.

Jacobs contrasta isso com áreas sem vida na calçada, incluindo os subúrbios de baixa densidade, onde os moradores devem expor uma parte maior de suas vidas privadas a um pequeno número de contatos íntimos ou se contentar com a falta de contato por completo. Para sustentar o primeiro, os moradores precisam ser extremamente cuidadosos ao escolher seus vizinhos e suas associações. Arranjos desse tipo, argumenta Jacobs, podem funcionar bem “para pessoas da classe média-alta auto-selecionadas”, mas não funcionam para ninguém mais.

Moradores em lugares sem vida na calçada são condicionados a evitar interações básicas com estranhos, especialmente aqueles de diferentes níveis de renda, raça ou educação, até o ponto em que não conseguem imaginar ter um relacionamento pessoal profundo com pessoas tão diferentes deles. Esta é uma escolha impossível em qualquer calçada movimentada, onde todos são tratados com a mesma dignidade, prioridade e incentivo a interagir sem medo de comprometer sua privacidade ou criar novas obrigações pessoais. Dessa forma, os moradores dos subúrbios tendem ironicamente a ter menos privacidade em suas vidas sociais do que seus equivalentes urbanos, além de um volume drasticamente reduzido de conhecidos.

II.III. Assimilação de crianças

As calçadas são ótimos lugares para as crianças brincarem sob a supervisão geral dos pais e outros proprietários naturais da rua. Mais importante ainda, as calçadas são onde as crianças aprendem o “primeiro fundamento da vida bem-sucedida na cidade: As pessoas devem ter uma responsabilidade pública mínima umas com as outras, mesmo que não tenham laços entre si”. Em inúmeras interações menores, as crianças absorvem o fato de que os proprietários naturais das calçadas estão investidos em sua segurança e bem-estar, mesmo sem laços de parentesco, amizade próxima ou responsabilidade formal. Essa lição não pode ser institucionalizada ou replicada por ajuda contratada, pois é essencialmente uma responsabilidade orgânica e informal.

Jacobs afirma que as calçadas com trinta a trinta e cinco pés de largura são ideais, capazes de atender a qualquer demanda para brincadeiras gerais, árvores para sombrear a atividade, circulação de pedestres, vida pública adulta e até mesmo para vagabundear. No entanto, ela admite que essa largura é um luxo na era do automóvel e encontra consolo que as calçadas de vinte pés – impedindo a brincadeira de pular corda, mas ainda capazes de uso misto animado – ainda podem ser encontradas. Mesmo que falte largura adequada, uma calçada pode ser um lugar cativante para as crianças se congregarem e se desenvolverem se a localização for conveniente e as ruas forem interessantes.

III. O papel dos parques

O urbanismo ortodoxo define os parques como “benefícios concedidos às populações carentes das cidades”. Jane Jacobs desafia o leitor a inverter essa relação e “considerar os parques urbanos como lugares carentes que precisam do benefício da vida e da apreciação concedidos a eles”. Parques se tornam animados e bem-sucedidos pelo mesmo motivo que as calçadas: “por causa da diversidade física funcional entre os usos adjacentes e, portanto, a diversidade entre os usuários e seus horários”. Jacobs oferece quatro princípios de bom design de parques

  1. complexidade (estimular uma variedade de usos e usuários repetidos);
  2. centralização (um ponto de cruzamento principal, ponto de pausa ou clímax);
  3. acesso à luz solar;
  4. cercamento (a presença de edifícios e uma diversidade de ambientes).

A regra fundamental da calçada do bairro também se aplica ao parque do bairro: “animados e variados atraem mais animação; morte e monotonia repelem a vida”. Jacobs admite que um parque bem projetado em um ponto focal de um bairro animado pode ser um enorme benefício. Mas com tantos investimentos urbanos dignos sem financiamento, Jacobs adverte contra “desperdiçar dinheiro em parques, playgrounds e projetos de uso do solo grandes, frequentes, perfunctórios, mal localizados e, portanto, entediantes ou inconvenientes demais para serem usados”.

IV. Os bairros da cidade

Jane Jacobs critica o urbanismo ortodoxo por ver o bairro da cidade como um grupo isolado e modular de cerca de 7.000 habitantes, o número estimado de pessoas para povoar uma escola primária e utilizar um mercado e centro comunitário do bairro. Em vez disso, Jacobs argumenta que uma característica de uma grande cidade é a mobilidade dos moradores e a fluidez de uso em áreas diversas de tamanho e caráter variados, não a fragmentação modular. A alternativa de Jacobs é definir bairros em três níveis de organização geográfica e política:

  1. nível da cidade
  2. nível do distrito
  3. nível da rua.

A cidade de Nova York como um todo é ela mesma um bairro. As principais instituições governamentais locais operam no nível da cidade, assim como muitas instituições sociais e culturais – de sociedades de ópera a sindicatos públicos. No extremo oposto da escala, ruas individuais – como a Rua Hudson em Greenwich Village – também podem ser caracterizadas como bairros. Bairros de nível da rua da cidade, como argumentado em outros lugares do livro, devem aspirar a ter uma frequência suficiente de comércio, vitalidade geral, uso e interesse para sustentar a vida pública nas ruas.

Finalmente, o distrito de Greenwich Village é ele próprio um bairro, com uma identidade funcional compartilhada e tecido comum. O objetivo principal do bairro do distrito é intermediar entre as necessidades dos bairros de nível da rua e a alocação de recursos e decisões políticas tomadas no nível da cidade. Jacobs estima o tamanho máximo efetivo de um distrito da cidade em 200.000 pessoas e 1,5 milhas quadradas, mas prefere uma definição funcional sobre uma definição espacial: “grande o suficiente para enfrentar a prefeitura, mas não tão grande que os bairros de rua sejam incapazes de chamar a atenção do distrito”. Os limites do distrito são fluidos e sobrepostos, mas às vezes são definidos por obstruções físicas, como grandes estradas e marcos.

Jane Jacobs define a qualidade do bairro como uma função de quão bem ele pode governar e se proteger ao longo do tempo, empregando uma combinação de cooperação residencial, influência política e vitalidade financeira. Jacobs recomenda quatro pilares de planejamento efetivo do bairro da cidade:

  1. Fomentar ruas animadas e interessantes
  2. Fazer o tecido das ruas uma rede contínua o máximo possível
  3. Usar parques, praças e prédios públicos como parte do tecido das ruas, intensificando a complexidade e múltiplos usos do tecido em vez de segregar diferentes usos
  4. Fomentar uma identidade funcional em nível de distrito Jacobs é particularmente crítica dos programas de renovação urbana que demoliram bairros inteiros, como o caso no distrito Fillmore de San Francisco, criando uma diáspora de seus residentes pobres deslocados. Ela afirma que essas políticas destroem comunidades e economias inovadoras, criando espaços urbanos isolados e artificiais.

V. Propostas alternativas

Em seu lugar, Jane Jacobs descreveu “quatro geradores de diversidade” que “criam poços econômicos efetivos de uso”:

  1. Uso misto primário, ativando as ruas em diferentes momentos do dia
  2. Blocos curtos, permitindo alta permeabilidade de pedestres
  3. Edifícios de várias épocas e estados de conservação
  4. Densidade

Sua estética pode ser considerada oposta à dos modernistas, defendendo a redundância e a vitalidade contra a ordem e a eficiência. Ela frequentemente cita o bairro de Greenwich Village, em Nova York, como exemplo de uma comunidade urbana vibrante. O Village, como muitas comunidades semelhantes, pode ter sido preservado, pelo menos em parte, por sua escrita e ativismo.

VI. FAQ (perguntas Frequente)

  1. O que é “The Death and Life of Great American Cities”?
    “The Death and Life of Great American Cities” é um livro escrito pela escritora e ativista Jane Jacobs em 1961. É uma crítica à política de planejamento urbano dos anos 50, que ela considerava responsável pelo declínio de muitos bairros nas cidades dos Estados Unidos.
  2. Quem é Jane Jacobs?
    Jane Jacobs foi uma escritora e ativista americana que se destacou como crítica de urbanismo e ativista pelos direitos civis. Ela foi conhecida por suas críticas aos urbanistas racionalistas dos anos 50 e 60, especialmente Robert Moses, e ao trabalho anterior de Le Corbusier.
  3. Qual é a crítica central de Jacobs em relação ao planejamento urbano modernista?
    Jacobs argumentou que o planejamento urbano modernista ignorou e simplificou demais a complexidade das vidas humanas em comunidades diversas. Ela se opôs aos programas de renovação urbana em larga escala que afetaram bairros inteiros e construíram autoestradas nas cidades. Em vez disso, ela defendeu o desenvolvimento denso de uso misto e ruas caminháveis, com os “olhos na rua” de transeuntes ajudando a manter a ordem pública.
  4. Quem foram os urbanistas ortodoxos criticados por Jacobs?
    Jacobs foi crítica dos urbanistas “racionalistas” dos anos 50 e 60, especialmente Robert Moses, bem como do trabalho anterior de Le Corbusier. Ela descreveu a teoria urbana predominante como uma “superstição elaboradamente aprendida” que havia agora penetrado no pensamento de urbanistas, burocratas e banqueiros em igual medida.
  5. Como Jacobs propôs que as cidades fossem planejadas?
    Jacobs propôs um planejamento urbano que valorizasse as comunidades locais e fosse sensível às necessidades e preferências dos moradores. Ela enfatizou a importância do uso misto e da densidade, ruas caminháveis, e a inclusão de espaços verdes. Ela também destacou a importância dos detalhes locais e da evolução orgânica, em vez de depender de planos permanentes impostos de cima.

VI. Bibliografia

Esse texto é uma tradução feita pela arqBahia do artigo The Death and Life of Great American Cities – Wikipedia.

1 comentário em “resumo do dia: Morte e vida de grandes cidades de Jane Jacobs”

Deixe um comentário